By Jeff Mason e Richard Cowan

Um juiz do Texas bloqueou temporariamente as ordens do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que protegiam milhões de pessoas que estão ilegalmente nos EUA, apoiando a opinião de 26 Estados norte-americanos segundo os quais Obama foi além de suas atribuições.

Me parece que a maioria dos estados não querem arcar com as despesas que essa benfeitoria aprovada pelo Obama trará. Não me surpreende. Uma decisão de tamanho porte tomada às pressas não pode gerar os efeitos satisfatórios pretendidos. A reforma da saúde e esta medida provisória trazem despesas elevadas para determinados estados.

A Casa Branca disse nesta terça-feira que o Departamento de Justiça iria recorrer da decisão do juiz Andrew Hanen, de Brownville, uma cidade na fronteira com o México.

Hanen já havia emitido opiniões críticas às leis de imigração impulsionadas pelo governo Obama.

Não ficou imediatamente claro qual o impacto da decisão judicial desta segunda sobre a disputa no Congresso dos EUA liderado por republicanos a respeito de uma legislação aprovada pela Casa de Representantes que libera o financiamento do Departamento de Segurança Interna se as ações de Obama sejam consideradas nulas.

Hanen bloqueou o governo federal de conduzir as ordens executivas anunciadas por Obama em 20 de novembro, uma intromissão do judiciário nas demonstrações de Obama de seu poder executivo que tem gerado a ira de representantes republicanos eleitos, para quem ele se excedeu em sua autoridade constitucional.

As ordens executivas de Obama permitiriam a até 4,7 milhões de pessoas em uma estimativa de 11 milhões de imigrantes sem documentação nos EUA a ficarem sem a ameaça de deportação. O objeto era sobretudo ajudar 4,4 milhões de pessoas cujas crianças são cidadãos legais dos EUA ou residentes permanentes.

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2015/02/17/juiz-do-texas-bloqueia-plano-de-obama-para-imigracao.htm

Facebooklinkedinmail